© AVANGI CULTURAL

 contato@avangicultural.com | skype: avangi_cultural

  • Facebook | Letras e Becos
  • Youtube | Letras e Becos
  • Instagram | Avangi Cultural

photo: Cassimano

ferreiratula@gmail.com

   Tula Pilar Ferreira is the author of Poesias Inacadêmicas. She was born in Leopoldina and was raised in Belo Horizonte - Minas Gerais. She has lived for twenty-two years in São Paulo, where she went to work as a maid. She began attending the city saraus in 2004. She and her kids participate in RAIZARTE, organizing evening saraus and cultural events.

   Tula Pilar Ferreira é autora do livro Poesias Inacadêmicas. Nasceu na cidade de Leopoldina e foi criada em Belo Horizonte - Minas Gerais. Vive há vinte e dois anos em São Paulo, onde veio trabalhar como empregada doméstica. Começou a frequentar os saraus da cidade em 2004. Participa com seus filhos do coletivo RAIZARTE, organizando saraus e eventos culturais.

 
 
Poetry feet
Poesia dos pés

I walk through the city

I walk through the world

Seeking my wishes

I was here

I was there

I stand by me

I go back to childhood

Where the feet freed me

In the red dirt fields of Minas Gerais

I ran to play hide and seek

Jump rope, hopscotch

- Pass the ball!

- Look at the kite in the sky with rainbows

- It rained!

The rainwater in the torrent

Our muddy clothes

- Oops! Mom will beat us

- Let’s wash them in the waterfall

- No! Wash them in a pond!

- In the river

- Dry your feet! Wash it fast otherwise it will drown!

- It is nighttime

- Let's go home

- Mom will be back!

- Aunt, turn on the lamp

- You hurt your foot again, girl!

Feet with eternal childhood marks

Sleep to rest

They wake up early to work

Walk downtown

The feet take me where I want to go ...

Where I can dream!

Caminho pela cidade
Caminho pelo mundo
Buscando meus desejos
Estive aqui
Estive lá
Estou junto de mim
Volto na infância
Onde os pés libertaram-me
Pelos campos de terra vermelha de Minas Gerais
Corri para brincar de pique-esconde
Pular corda, amarelinha
- Joga bola!
- Olha a pipa no céu junto com arco-íris
- Choveu!
A água da chuva na enxurrada
Nossa roupa cheia de barro
- Xiiii! A mãe vai bater na gente
- Vamos lavar na cachoeira
- Não! Lava em uma lagoa!
- Na água do rio
- Bate os pés! Lava rápido senão afunda!
- Está de noite
- Vamos para casa
- A mãe via chegar!
- Tia, ascende a lamparina
- Machucou o pé de novo, menina!
Pés com eternas marcas de infância
Dormem para descansar
Acordam cedo para trabalhar
Caminham para o centro da cidade
Os pés me levam para onde quero ir…
Para onde posso sonhar!

Tula Pilar

Text originally published in the book / texto originalmente publicado no livro Palavras Inacadêmicas (2011)

I am a Carolina

I am a Carolina

I worked since I was a girl

During the childhood I washed, ironed, polished…

Children of others I lulled

 

I am the black writer who became news in newspapers

Who went from Quarto de Despejo to the TV shows

 

I am a Carolina

I am writing since I was a girl

My texts were torn, crushed, trampled

So many pinches

From those lands of Minas

I am from Minas Gerais

 

I fled from the employer’ house

Broom I don’t want anymore

The pen is my trophy

To embroider words on paper

Is all I want to say

 

I am a Carolina

Feminine and poetry

The black writer who went from the Quarto de Despejo

to the TV shows

 

I wear high heels

low-cut dress, kind of short and frilly

I'm in the living room

In my velvety couch

 

Because…

I am a Carolina

Feminine and poetry

Poverty I don’t want anymore

The pen is my trophy

To embroider words on paper

Is all I want to say...

 

Carolina ...

Sou uma Carolina

Sou uma Carolina
Trabalhei desde menina
Na infância lavei, passei, engraxei…
Filhos de outros embalei


Sou a negra escritora que virou notícia nos jornais
Foi do Quarto de Despejo aos programas de TV

 

Sou uma Carolina
Escrevo desde menina
Meus textos foram rasgados, amassados, pisoteados
Foram tantos beliscões
Pelas bandas de lá de Minas
Eu sou de Minas Gerais

 

Fugi da casa da patroa
Vassoura não quero mais
A caneta é meu troféu
Bordar as palavras no papel
É tudo o que quero dizer

 

Sou uma Carolina
Feminino e poesia
A negra escritora que foi do Quarto de Despejo
aos programas de TV

 

Uso uso salto alto
Vesido decotado, meio curto e com babados
Estou na sala de estar
No meu sofá aveludado

 

Porque…
Sou uma Carolina
Feminino e poesia
Pobreza não quero mais
A caneta é meu troféu
Bordar as palavras no papel
É tudo o que quero dizer...

 

Carolina...

Tula Pilar

Text originally published in the book | Texto originalmente publicado no livro Antologia Sarau do Binho - vol 2 (2015)