© AVANGI CULTURAL

 contato@avangicultural.com | skype: avangi_cultural

  • Facebook | Letras e Becos
  • Youtube | Letras e Becos
  • Instagram | Avangi Cultural

photo: Cassimano

priscilapreta1@gmail.com

   Actress, dancer, and poetess. By dancing in thought she is an artist educator. Her creativity creates and transpires in Capulanas Cia de Arte Negra e Umoja groups. Author of A Calimba e a Flauta – versos úmidos e tesos co-authored with Allan da Rosa. She participated in the anthologies of Sarau da Brasa I e IIINegrafias vol.3Sarau da Ademar and Pretextos de Mulheres Negras. With the Capulanas family she drafted the books (Em) Goma – dos pés a cabeça, os quintais que sou and Mulheres Líquidos.

   Atriz, dançarina e poeta. Por dançar no pensamento é artista educadora. Sua criatividade cria e transpira nos grupos Capulanas Cia de Arte Negra e Umoja. Autora de A Calimba e a Flauta – versos úmidos e tesos em coautoria com Allan da Rosa. Participou das antologias do Sarau da Brasa I e III, Negrafias vol.3, Sarau da Ademar e Pretextos de Mulheres Negras. Com a família Capulanas desenhou as escritas dos livros (Em) Goma – dos pés a cabeça, os quintais que sou e Mulheres Liquidos.

 
 
Touch
Toque

A memory of you was so strong that it heated up my body

With your divine intelligence

Got cooled with your slippery liquid

The tip of my nipples hardens

With the temperature drop

Played make-believe

You became the size of my finger

With my eyes closed I saw you in the dream of my desire

Strong breath until I sighed the name of my satisfaction

Uma lembrança sua ficou tão forte que meu corpo esquentou
Com sua inteligência divina
Se resfriou com seus líquidos escorregadios
O bico do meu seio endurece
Com a queda de temperatura
Brinquei de faz de conta
Você ficou do tamanho do meu dedo
De olho fechado te vi no sonho do meu desejo
Respirei forte até suspirar o nome da minha satisfação

Priscila Obaci

Text originally published in the book / texto originalmente publicado no livro A Calimba e a flauta (2012)

Mouth Watering

Inspired by wine

Our garden bloomed the desire of your roots penetrating my land

Planted myself in your eyes while under your possession

Your vine-hands grew on the walls of my body

And the dew of my pore-leaves

runs down

They run in peach-tongue of our attachment

- CATCH ME.

With the taste of a melted bite of ripe pear

With the sliding of a mango piece between teeth

 

Inspired by wine

A breeze came with the smell of loves-me-not

The sweet of a date

The taste of the particular mix of lemon with watermelon juice

 

Inspired by wine

I made my nest on your stem

In the shadow of your full-moon eye and your Sun smile

Inspired by wine

I slipped through your fingers

Like trodden grape

Fermentation

 

Inspired by wine

I planted strawberry desire

I picked encounter

I was seed of your fruit

I bloomed woman with the drink of your sap

I fell asleep in between your branches

Inspired by wine I was born black flower

Dawn

Inspired by wine I was loved.

​Água na boca

Regado a vinho
Nosso jardim floresceu o desejo de sua raiz penetrar minha terra
Plantei nos seus olhos eu mesma em posse de você
Suas mãos trepadeiras cresceram nos muros do meu corpo
E o orvalho de meus poros folhas
Escorrem
Correm na língua pêssego do nosso apego
- ME PEGA.
Com gosto da mordida derretida de pêra madura
Com o deslizar da manga rosa entre os dentes


Regado a vinho
Vinha uma brisa com cheiro de bem me quer
O doce da tâmara
O gosto do toque do suco de melancia com limão


Regado a vinho
Fiz meu ninho no seu caule
Na sombra do seu olho lua cheia e do seu sorriso Sol.
Regado a vinho
Escorri pelos seus dedos
Feito uva pisada
Fermentação


Regado a vinho
Plantei desejo morango
Colhi encontro
Fui semente do seu fruto
Floresci mulher com o gole de sua seiva
Adormeci no entre dos seus galhos
Regado a vinho nasci flor preta
Alvorada
Regado a vinho fui amada.

Priscila Obaci

Text originally published in the book / texto originalmente publicado no livro A Calimba e a flauta (2012)